[HARDCORE] -

Tapa na boneca

CONTO ERÓTICO 



Tapinha na boneca



por Mão-Pesada

Poxa, quem diria que aquela princesinha que arrastei pra fora do baile não era, afinal, o que parecia ser? Eu devia ter notado isso assim que minhas mãos se fecharam sobre seus seios e encontraram a firmeza do silicone. Ah, eu a bolinei como quem ordenha uma vaca, enquanto ela suspirava em meu ouvido um “não, não” pouco convincente. 

Levei-a para o estacionamento e a encostei no capô de um velho Opala. Ali, abri sua blusa e apertei os seios com força, passando a língua entre eles. Tentei botar a mão no meio de suas pernas, mas ela as fechou. Esfreguei meu volumão em sua coxa enquanto libertava um dos seios do sutiã, metendo a boca e mordendo com carinho. 

Ela era esguia como uma cobra, a danadinha... Mas não conseguiu me conter: minha mão logo deslizou por dentro de sua coxa e afastou suas pernas. Quando cheguei à calcinha, meus dedos não encontraram o que esperavam: minha mão se fechou em volta de seu voluminho. Encarei aqueles olhos e vi que a princesa tinha virado boneca. 

Fiquei assustado por dois segundos – mas o tesão falou mais alto. Quem nunca sonhou com uma bonequinha daquelas? Não pensei duas vezes e a empurrei sobre o capô, as pernas dobradas e grudadas. 

Puxei sua calcinha para o lado e surgiu um cuzinho rosado e pequeno. Caí de boca! Lambi com gosto, segurando suas pernas juntinhas, impedindo que saísse do lugar. Entre uma lambida e outra, eu dava uns tapinhas, só para deixá-la ardida. Quanto mais eu lambia, mais fortes ficavam os tapas, até que ela me agarrou pelas orelhas e esfregou a bunda na minha cara, urrando como uma vadia. 

Fiquei de pé de novo e abri as calças. Ela se apoiou nos cotovelos e perguntou se eu era tão macho pra merecer um pau tão grande. Levei aquilo como provocação e decidi mostrar do que um pau grande é capaz. 

Enquanto ela ria, virei-a sobre o carro, deixando-a de quatro pra mim. Levantei sua sainha de princesa, puxei sua calcinha e senti o elástico arrebentar. Ela tentou protestar, mas suguei sua orelha enquanto enfiava a calcinha em sua boca. Aquilo a excitou mais do que eu imaginava, enquanto eu fazia uma rédea em sua boca com a calcinha. 

Vi aquela bundinha vermelha e decidi dar uma temperada. Dei uma boa lambida naquela carne macia e abri a mão num tapa que estalou forte. Seu gemidinho de protesto só serviu para me excitar mais ainda e, enquanto eu descia a mão naquelas nádegas, tingindo-as de cor escarlate, meu pau latejava por sua vez de brincar. 

Fechei suas pernas, segurando firme em suas ancas, enquanto me posicionava por trás. Meti a mão e massageei seu rabinho, alargando as bordas. Puxei-a para ficar mais empinada e enfiei devagar, mas sem cessar, até que sentisse meu corpo colado ao dela, enquanto seu gemido sufocado estendia-se por todo o momento. 

Ela tentou rebolar, mas acompanhei seu corpo, segurando-a pela carne firme, mantendo-a presa enquanto cutucava no fundo. Fazia a boneca dar pulinhos a cada estocada. 

Cada vez que ela tentava reclamar ou livrar-se do meu pau, eu a botava no lugar, puxando a rédea e dando uns tapas na bunda. Já nem me lembrava do nome dela, então passei a chamá-la de “vadia”. Ela aceitou. 

Um rabinho é mais fundo que uma chana. Minhas calças arriaram enquanto eu socava forte no fundo, vendo seus peitos e seu cabelo balançando, seus olhos apertados para resistir à dor. 

Senti o gozo chegar e fiz mais uma surpresa pra ela. Botei-a de joelhos ali, ao lado do carro, e mandei que me masturbasse. Ela colocou a cabeça na boca enquanto sua mão subia e descia, e alguns segundos depois, minha porra invadiu sua boca. Segurava firme em seus cabelos e, depois que ela limpou todo o meu pau, dei dois tapinhas no rosto dela e me despedi sem olhar pra trás, enquanto ela se recompunha para voltar ao baile. 


Como tratar uma boneca: 10 dicas para T-Lovers iniciantes

Hoje em dia, muito se comenta sobre os T-Lovers, termo que designa os homens que gostam de travestis e transexuais.

LEIA MAIS

Operadas

No lugar do pênis, surge uma neovagina - e aí? O que muda nas vidas delas?

LEIA MAIS

Passivos com travestis: uma soma de prazer

Fabrício M., 22 anos, e Sergio L., 24 anos (nomes fictícios), têm duas coisas em comum: ambos são fascinados por travestis – e, quando transam com uma, gostam mesmo é de ser passivos.

LEIA MAIS

Dicas para sair em segurança e curtir com uma t-girl

Dicas importantes para sair em segurança com uma T-girl e curtir sem dor de cabeça

LEIA MAIS

Muito sexo alarga o ânus?

Três vezes por dia e muito tesão: transar demais causa problema "lá"?

LEIA MAIS

Copyright © 2013 - TranSites - Termos legais. É proibida a reprodução do conteúdo deste website em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da TranSites.